Rui cobra prisão dos envolvidos no caso dos respiradores

FONTE: Bahia.ba

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Governador relatou que responsáveis por vender equipamentos e não entregá-los foram soltos por orientação do Ministério Público
Foto: arquivo/Paula Fróes/GOVBA

O governador Rui Costa cobrou nesta segunda-feira (13), em entrevista à Rádio Sociedade, a prisão dos envolvidos na venda ilegal de respiradores (ventiladores mecânicos) para o Consórcio Nordeste, no início do combate ao avanço da pandemia de Covid-19. O governo estadual pagou pelo equipamento, mas não recebeu nem os aparelhos contratados nem a devolução do recursos (aproximadamente R$ 48 milhões) . “Espero que essas pessoas voltem a ser presas e possam devolver o dinheiro”, disse o gestor.

Perguntado pelo apresentador Adelson Carvalho, Rui relatou que os detidos confessaram a irregularidade e acertaram o ressarcimento do pagamento feito antecipadamente , mas foram soltos por orientação do Ministério Público. Na sequência, o caso foi transferido para a Justiça Federal.

“Não consigo enxergar onde está o interesse público (na libertação dos envolvidos)”, lamentou o governador.”Se (o MP) queria que (o caso) fosse submetido ao Superior Tribunal de Justiça, ótimo. Mas que as pessoas ficassem presas”, ressaltou.

Em junho do ano passado, 15 dias depois da deflagração da Ragnarok, a Procuradoria Geral do Estado acionou o Conselho Nacional de Justiça e o Conselho Nacional do Ministério Público protestando contra os desdobramentos da operação que buscava reaver os recursos e punir os culpados. “Só favoreceu aqueles que deram golpe no estado”, disse Rui, à época.

Sesab

Rui Costa também comentou sobre a gestão na Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), que está interinamente sob o comando da subsecretária Tereza Paim. O gestor reafirmou que avalia a situação com calma, já que o grupo de trabalho permanece, não causando interrupção das ações. “A equipe está montada e tocando os projetos, como os da policlínicas que estamos tocando com muito orgulho”, finalizou.

Veja também

O menino e a garçonete

Numa época em que um sorvete custava muito menos que hoje, um menino de dez anos entrou numa lanchonete e sentou-se à