Mais um ataque à democracia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram

Aprovação da PEC coincide com julgamento de pautas anticonservadoras no STF.

Por Ana Cristina Rosa*/Folha de S.Paulo

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

Semana passada tirei da estante e reli trechos do livro “Como as Democracias Morrem”, de Steven Levitsky e Daniel Ziblatt. Tentava entender melhor o que aconteceu no Senado com a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que veda decisões monocráticas por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender a eficácia de uma lei.

Na obra, os professores da Universidade Harvard analisam o processo de subversão da democracia a partir da eleição do ex-presidente Donald Trump (EUA). Alertam para o fato de a escalada do autoritarismo passar a se dar por meio do “enfraquecimento lento e constante de instituições críticas, como o Judiciário e a imprensa, e a erosão gradual de normas políticas de longa data”.

Voltando ao Brasil, para além da votação e aprovação de uma PEC a toque de caixa, a “coincidência” entre a apreciação da proposta que estava engavetada desde 2021 e o julgamento de temas contrários à agenda conservadora, como a demarcação de terras indígenas, descriminalização do porte de drogas e liberação do aborto, é indício para ligar o alerta vermelho.

O filósofo Montesquieu defendia um Estado com Executivo, Legislativo e Judiciário para evitar a volta de governos absolutistas. E discorreu sobre a autonomia e os limites entre os Poderes.

Também vale lembrar que interesses pessoais não devem se sobrepor às instituições.

Como diz o senador Paulo Paim (PT-RS), com a propriedade de quem integrou a Assembleia Nacional Constituinte, nossa Constituição é uma das Cartas mais progressistas do mundo. E nela o STF aparece como órgão máximo do Poder Judiciário, cabendo a ele o controle de constitucionalidade das medidas aprovadas pelos parlamentares.

É provável que a “PEC do STF” seja derrubada por uma ação direta de inconstitucionalidade caso aprovada pela Câmara. Mas será que num Estado democrático de Direito o parlamento deveria se dedicar com tamanho afinco a um tema que pode afetar o equilíbrio democrático?

Ana Cristina RosaJornalista especializada em comunicação pública e vice-presidente de gestão e parcerias da Associação Brasileira de Comunicação Pública (ABCPública)

Veja também

Copa Ciganão volta em alto estilo

Três jogos fizeram a alegria do torcedor neste domingo (25) no Alto do Cigano. Blog do Eloilton Cajuhy Após o recesso do