Bonfim: Morte silencia craque dos campos de futebol

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram

Blog do Eloilton Cajuhy

Foto: Arquivo de Zé Ramos

Como se diz no popular, “a morte é democrática”, e passeia por todos os cantos. Na hora de “levar” alguém ela não escolhe raça, cor, religião, profissão ou condição financeira. Na última sexta-feira, 1º de setembro, ela decidiu “levar” um “menino da bola”: Joaquim José de Carvalho, ou simplesmente Joaquim.

Aos 56 anos, o “menino” Joaquim silenciou e partiu para sua última morada. Não teve os gritos de “vai Joaquim!”, “aí Joaquim!”, “você é craque!”, pois a morte quando chega não avisa, não manda recado. Mas, fica no coração daqueles que o conheceram, a certeza de que honrou a camisa dos times que defendeu pelos campos de futebol.

Funcionário público aposentado, Joaquim deixa duas filhas, dois netos e muita saudade para os amantes do maior esporte do mundo que tiveram o prazer de vê-lo jogar. No futebol amador defendeu Bonfinense, Guanabara, Sisal, Pirangy e Fluminense de Euclides da Cunha. No futebol profissional atuou pelo Atlético de Alagoinhas e ainda jogou o Campeonato Intermunicipal pela Seleção de Itiúba em 1991 e 1992.

Também defendeu várias equipes em campeonatos de bairro, a exemplo do CSU e torneio de férias.

Joaquim não teve holofotes ao seu favor, foi discreto e assim também foi tratado. Deixa para o futebol bonfinense o legado de eficiência em campo e muita inteligência com a bola. As quatro linhas foram sua casa por muitos jogos, onde muitos se encantaram com sua elegância ao jogar futebol. Que os anjos do céu recebam nosso “menino da bola”…

Veja também

Copa Ciganão volta em alto estilo

Três jogos fizeram a alegria do torcedor neste domingo (25) no Alto do Cigano. Blog do Eloilton Cajuhy Após o recesso do