Sentimentos que queremos cultivar – Por Eloilton Cajuhy

FONTE: BLOG DO ELOILTON CAJUHY

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram

Na semana santa de antigamente, as mesas eram muito fartas e o prazer de uma família em convidar parentes e amigos para o almoço e o jantar movia a todos para um sentimento muito grande: o da satisfação de compartilhar com eles momentos que não se resumiam apenas em matar a fome. A celebração dos dias santos envolvia a todos em oração e agradecimento.

Sim, essas famílias cultivavam a fé e faziam questão de lembrar que o momento também era ideal para demonstrar sua gratidão a Deus pela comida na mesa e pela coragem de trabalhar para elevar seus membros. Havia uma forte sintonia entre a fé e a esperança. Fé em Deus – o verdadeiro protetor das famílias. Esperança na continuidade de um tempo de fartura e bem estar.

Com a evolução dos tempos, tornou-se cada vez mais necessário o distanciamento familiar ou separação de famílias, para permitir a busca do conhecimento por parte de seus filhos. Se somam a isso mudanças climáticas com o inevitável êxodo para a busca de dias melhores. Êxodo esse que não afetou somente moradores da zona rural, mas forçou também a ida de jovens de uma cidade para outra a procura de cursos especializados e outras oportunidades.

São mudanças que talvez tenham afetado pessoas que não estavam preparadas para elas. Como resultado, hoje encontramos por esse mundo afora famílias que vivem somente de recordações dos encontros familiares para a celebração da semana santa.

Nos dois últimos anos, a pandemia do novo coronavírus tem contribuído para esse distanciamento. Visando preservar principalmente os idosos, o que podemos constatar é que muitas casas estarão vazias nesta sexta-feira da paixão. A medida é necessária, porém, nos preocupa o fato de que muitos irão ignorar a realidade atual e deverão fazer aglomerações em suas residências.

O Senhor da Vida pede que preservemos nosso bem mais precioso. Ele se entregou à cruz para a nossa salvação, portanto, o que Ele mais quer é que cada um de nós busquemos o bem comum, pensando na nossa saúde e das pessoas que amamos.

Podemos fazer nossa celebração silenciosa, com pouca gente ou sem ninguém. Aos olhos de Deus estaremos demonstrando todo nosso amor pelo próximo e por nós mesmos. Jesus, o misericordioso, nos dará outras oportunidades de estarmos juntos de quem tanto amamos.

Um dia o mundo nos afastou dos verdadeiros sentimentos que enobrecem nossa alma, nosso coração e que nos fazem sentir mais pertos de Deus. Hoje queremos cultivar o amor, a paz, a harmonia e a tranquilidade que precisamos para darmos continuidade à nossa caminhada.

Que possamos continuar depositando nossa fé e nossa confiança em um Deus de puro amor, pois assim, estaremos alcançando os

sentimentos que queremos cultivar!

Veja também