Revogada prisão preventiva de médico suspeito de provocar queda da médica bonfinense Sáttia Lorena

FONTE: Por G1 BA

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Revogação ocorreu na manhã desta segunda-feira (27). Informação foi confirmada pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). Rodolfo Cordeiro Lucas teve preventiva decretada há uma semana
Médico Rodolfo Cordeiro Lucas teve prisão preventiva revogada na manhã desta segunda-feira (27) — Foto: Reprodução / TV Bahia

O médico Rodolfo Cordeiro Lucas, suspeito de provocar a queda de Sáttia Lorena Patrocínio Aleixo, a médica que está internada após cair do quinto andar de um prédio no bairro de Armação, em Salvador, teve a prisão preventiva revogada na manhã desta segunda-feira (27), menos de uma semana de ter a preventiva decretada. A informação foi confirmada pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).

Ainda não há detalhes sobre quando Rodolfo deixará a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), do bairro do Engenho Velho de Brotas, onde ele está preso desde 20 de julho. O G1 entrou em contato com Gamil Föppel, advogado do médico, mas ele apenas confirmou o caso e não se pronunciou sobre a revogação.

A queda da médica ocorreu na madrugada do dia 20, no bairro de Jardim Armação. Rodolfo Cordeiro Lucas foi preso em flagrante por tentativa de feminicídio. Primeiro, ele foi levado para a Central de Flagrantes da Polícia Civil. De lá, transferido para a Deam. No dia seguinte, em 21 de julho, Rodolfo teve a prisão preventiva decretada pela Justiça.

Na ocasião, a Justiça pontuou que decretou a preventiva para manter a ordem pública, além de prevenir possível perigo gerado pelo “estado de liberdade do imputado”. Disse também que durante o interrogatório, Rodolfo não revelou detalhes concretos de uma possível tentativa de suicídio por parte da vítima e fez uma “narrativa desconexa, evasiva e sem conteúdo”.

Já nesta segunda, a Justiça explicou que revogou a prisão porque “inexistem nos autos elementos demonstrativos da necessidade de se manter a prisão processual do Indiciado”. Pontuou também que ele é réu primário, “com bons antecedentes, endereço conhecido, profissão definida, podendo ser localizado a qualquer momento para a prática dos atos processuais”.

Rodolfo nega que tenha jogado Sáttia do prédio. Familiares da médica, no entanto, dizem que ela foi jogada por ele.

De acordo com Gamil Föppel, o cliente nega que tenha empurrado a mulher e afirma que tentava a separação; que Sáttia tentou agredi-lo e depois tentou se jogar pela janela da sala. Como não conseguiu, foi para o quarto, onde tudo teria acontecido.

A médica está internada no Hospital Geral do estado (HGE), onde passou por cirurgias. Segundo a família, o estado dela é considerado grave. Por causa da situação, a família pede doação de sangue para mulher. Os familiares afirmam que pode ser feita doação de qualquer tipo de sangue em nome de Sáttia, de segunda a sexta-feira, das 12h30 às 18h30.

Veja também