Mulher morta em acidente com 12 vítimas em Eunápolis antecipou viagem; vítima era natural de Senhor do Bonfim

FONTE: Por g1 BA e TV Bahia

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Marido contou que esposa viajou para Itabuna, para visitar a mãe dela, e passar o aniversário. Ela decidiu voltar para casa onde morava, em Porto Seguro, antes da data prevista
Luciene Alves dos Santos era natural de Senhor do Bonfim — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Luciene Alves dos Santos, de 39 anos, natural de Senhor do Bonfim, uma das 12 vítimas do acidente envolvendo um ônibus, uma van e um caminhão bitrem que carregava eucalipto, na BR-101, tinha mandado uma gravação dela para o marido, durante a viagem. O caso aconteceu na noite de quarta-feira (29).

Em entrevista à TV Bahia, Alessandro dos Santos Rosário contou que a esposa viajou para Itabuna, para visitar a mãe dela, e passar o aniversário na cidade, e decidiu voltar para a casa onde morava, em Porto Seguro, antes da data prevista.

“Eu só lembro que ela mandou um áudio para mim falando: ‘Estou aqui em Camacan’. Eu falei assim: ‘Meu amor, era para você vim amanhã’. Ela veio na quarta, mas era para vim na quinta, que é hoje”, contou o marido de Luciene dos Santos.

A vítima afirmou para o marido que decidiu voltar para casa um dia antes para não se atrasar no trabalho. Luciene era camareira e tinha quatro filhos e um neto.

Alessandro dos Santos se desesperou com a morte da esposa — Foto: Reprodução / TV Bahia

Segundo Alessandro dos Santos, ele recebeu a notícia do acidente através de uma ligação feita pelo irmão. “Eu fiquei assistindo no celular e meu irmão mandou um áudio para mim. ‘Alessandro, teve um acidente feio perto de Eunápolis. Sua esposa pegou o ônibus que horas?”, contou, emocionado.

“Eu falei: ‘Às 16h30’ e ele falou: ‘Teve um acidente feio’. Aí eu falei: ‘Minha esposa morreu, porque ela ia na frente [do ônibus]. Ela mandou uma gravação para mim, que ela fez, e eu vim desesperado”.

O marido de Luciene dos Santos contou que a vítima estava sentada nas primeiras cadeiras do ônibus. “Peguei o carro e vim desesperado. Quando cheguei aqui, reconheci que era ela que tinha morrido”, disse Alessandro dos Santos.

Ele fez o reconhecimento do corpo no Instituto Médico Legal (IML) de Eunápolis, durante a manhã. Não há detalhes sobre o sepultamento dela.

Veja também