Após sofrer ataques racistas, influencer baiano Menor Nico aciona MP; advogado apresentou representação criminal

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
Protocolo da representação criminal por injúria racial foi apresentado nesta quarta. Defesa pede que o MP-BA notifique o Facebook para que a rede social apresente dados dos usuários que atacaram o influencer

Por Natally Acioli, g1 BA

Menor Nico no clipe de ‘Litrão remix’ — Foto: Divulgação

Após sofrer ataques racistas, o influencer baiano Menor Nico acionou o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), nesta quarta-feira (1º). No pedido, ele foi representado pelo pai, Valderi da Costa Pereira, em documento protocolado pelo advogado Leonardo Britto.

“Fizemos agora o protocolo da representação criminal por injúria racial, na qual nós pedimos que [o MP-BA] notifique o Facebook para apresentar os dados dos usuários que a gente informou, para notificar eles”, disse o advogado ao g1.

“Após [o Facebook] informar os dados, todos os usuários que participaram dessa conduta delituosa serão punidos, de acordo com a lei”, pontou.

Segundo Leonardo, o adolescente tem sido acompanhado por uma psicóloga.

“Ele já fazia terapia e continua fazendo, principalmente nesse momento. Ele é muito novo, se não cuidar, isso pode gerar um impacto grande”.

O g1 entrou em contato com o MP-BA, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

Menor Nico tem sido alvo constante de racismo nas redes sociais. Na segunda-feira (29), ele compartilhou algumas mensagens com insultos raciais, que recebeu.

Sucesso com bordões e músicas, Menor Nico é alvo de racismo nas redes sociais — Foto: Reprodução/Redes Sociais

O adolescente mora na zona rural de Antônio Cardoso e ficou famoso com o hit “Amor ou Litrão”. Ele já foi ouvido mais de 84,5 milhões de vezes em uma plataforma de streaming de música. O clipe da canção foi assistido mais de 184 milhões em uma página na internet.

Menor Nico tem 5,1 milhões de seguidores nas redes sociais, mais de 400 vezes o número da população de Antônio Cardoso, que tem cerca de 11.670 habitantes. Na publicação em que denunciou o racismo que sofre, o adolescente desabafou e falou sobre o pesado fardo de ser insultado por ser negro, ainda na adolescência.

Entre as ofensas racistas que recebeu, várias pessoas chamaram o adolescente de “macaco”. Depois de compartilhar com os seguidores as mensagens, o garoto ganhou o apoio de vários artistas, entre eles Carla Perez. “Meu amor, você é amado por todos nós. Essas pessoas maldosas são dignas de pena”, escreveu ela.

Veja também

A vida agradece

A cada hora nos defrontamos com situações que exigem de nós atitudes imediatas. Algumas ações são dolorosas e pedem uma disposição de