Apesar de crescimento no número de mulheres e negros, futura Câmara ainda será predominantemente branca e masculina

Conheça o perfil dos parlamentares eleitos

Com o resultado das eleições, a Câmara Federal apresenta renovação de 47 por cento, mas sem alterações expressivas em seu perfil geral.

O número de deputados negros cresceu na eleição de 2018 na comparação com 2014, mas continua sub-representado na Câmara dos Deputados em relação ao tamanho da população. Agora, são 24 por cento da composição da Câmara, e em 2014 eram 20 por cento. De acordo com a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, os negros, somatório de pretos e pardos, eram 55 por cento da população (54,9%).

Há apenas um indígena. Aliás, a primeira mulher indígena eleita deputada federal. É a advogada Joênia Wapichana, da Rede de Roraima.

Com relação à presença de mulheres, há também um crescimento, mas que novamente está longe de representar o número de mulheres na sociedade. Enquanto mulheres são maioria no Brasil, na Câmara elas serão 77, ou seja, 15 por cento. Hoje, a bancada feminina tem 51 deputadas.

Maranhão, Sergipe e Amazonas não elegeram nenhuma mulher. O Distrito Federal, que elegeu 5 mulheres em uma bancada composta por 8 deputados, foi proporcionalmente o estado que mais elegeu deputadas.

Tanto o deputado mais jovem quanto o mais idoso da nova Câmara compartilham o nome e o gênero, feminino. Luisa Canziani, do PTB do Paraná, tem 22 anos. E Luiza Erundina, do PSOL de São Paulo, tem 83 anos. Canziani estreia na Câmara e Erundina vai para o sexto mandato consecutivo.

Dos 513, 28 deputados têm menos de 30 anos. O doutor em Ciência Política Paulo Eduardo Rocha avalia como discreto o crescimento de negros e mulheres, e acredita que a juventude eleita não representará um avanço em visões progressistas no Congresso.

A gente tem um crescimento discreto de negros e mulheres, mas ainda me parece que é uma elevação pequena, frente à expectativa da sociedade. No que diz respeito à formação geral, a gente tem observado aí um número maior de jovens que chegam com uma nova mensagem, com proposta de renovação, embora essa proposta de renovação hoje, ela tenha também traços, me parece, fortemente conservadores“.

Um exemplo de jovem com visão conservadora é Kim Kataguiri, do DEM de São Paulo, poucos meses mais velho que Luisa Canziani.

Com relação às profissões, entre os 513 eleitos, 236 se declararam políticos profissionais. Os empresários vêm em segundo lugar, com 51 deputados eleitos. Advogados ocupam a terceira posição, com 39 eleitos. 80 por cento do total têm ensino superior completo.

*Reportagem – Paula Bittar/Rádio Câmara