A morte e a vida estão no poder da língua

FONTE: Devocional Hélio e Deise Peixoto

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
silhouette of grasses against the light of setting sun
Photo by brittany on Pexels.com

Que poder têm nossas palavras! Se tivéssemos a dimensão real do que elas são capazes de causar, certamente, pensaríamos muito mais vezes antes de falar.

A Bíblia diz que o que sai da nossa boca pode causar morte ou vida! E mais: se soubermos utilizá-la para o bem, comeremos os melhores frutos. Mas, e se a utilizarmos para o mal?

No mundo natural, para colher um fruto é preciso semear e aguardar o tempo de crescimento da árvore, ou seja, não vemos o seu crescimento em seguida do plantio. No mundo espiritual, também funciona assim. Muitas pessoas não têm o cuidado com as palavras que dizem porque não veem o resultado imediatamente, mas isso não quer dizer que elas não comerão os frutos que foram plantados.

Nossa boca foi feita para ser a expressão do amor de Deus. Nos tornamos pessoas amargas se cultivamos o hábito de sempre criticar, falar mal, agredir com palavras, ofender, reforçar os defeitos das pessoas.

Quantas palavras duras foram lançadas e rótulos foram colocados em filhos que os deixaram inseguros e com a sua autoimagem prejudicada? Quantas coisas foram ditas em discussões entre casais que afundaram de vez a relação? Quantas amizades foram perdidas pelo impulso de dizer o que se pensa sem sabedoria? Quando fazemos isso, você acha que apenas as pessoas à nossa volta são prejudicadas? Não, nós também somos, e muito!

Se estivermos ligados à fonte do amor, temos condições de fazer transbordar dos nossos lábios palavras de bênção, de edificação, de consolo.

Então, ligue-se cada vez mais ao Deus de amor e decida usar o poder da língua em seu favor, plantando as sementes certas para colher bons frutos no presente e no futuro!

Veja também

Tudo vai passar

Todas as coisas, na Terra, passam. Os dias de dificuldades, passarão. Passarão também os dias de amargura e solidão. As dores e